Pular para o conteúdo principal

Ruby

Olá amigos, apesar de nunca ter trabalhado com esta linguagem decidi escrever um artigo sobre ela, meu grande amigo Morpheu sugeriu o assunto, então vamos lá.
Todos aqueles que um dia se aventuraram em buscas por uma linguagem de programação voltada para internet com certeza se deparou com amantes de Ruby, eu mesmo em visitas a fóruns li varias vezes sobre indicações exaltando suas qualidades, sendo assim veremos a seguir um pouco sobre ela.

  • Iniciando...

Em 1994 a primeira versão alpha do Ruby foi lançada, desenvolvida por apenas uma pessoa, o japonês Yukihiro Matsumoto (Matz), recebeu grande colaboração de comunidades da linguagem que contribuiram com fixes e patches.
David Heinemeier Hansson adotou o Ruby como uma de suas linguagens preferidas e escreveu um dos mais completos livros sobre a linguagem, o Programming Ruby, surgia então uma das primeiras fontes sobre a linguagem em inglês o que proporcionou sua expansão no ocidente.


  • O Ruby


Inicialmente, Matz estudou outras linguagens buscando encontrar uma sintaxe ideal. Recordando a sua busca, disse, “Eu queria uma linguagem interpretada que fosse mais poderosa que o Perl e mais orientada aos objetos do que o Python" [3].
O Ruby é muito flexível, permitindo que seus usuários alterem partes essenciais, como por exemplo a alteração de operadores aritméticos da própria linguagem, como mudar o sinal de "+" para "soma".
Nele tudo é um objeto, não existem tipos primitivos, mas sim todos tipos são classes, assim como todas variáveis são objetos. Por exemplo, um conjunto de caracteres é uma instância da classe String, um inteiro é da Fixnum e uma matriz é Array.
Outro ponto importante a respeito dessa linguagem é o fato dela ser livre de custos, pode-se utilizar, copiar, modificar e distribuir.
  • Características [1]

Para manter a praticidade, a linguagem possui algumas características interessantes:

  • A sintaxe é enxuta, quase não havendo necessidade de colchetes e outros caracteres.
  • Todas as variáveis são objetos, onde até os "tipos primitivos" (tais como inteiro, real, entre outros) são classes.
  • Estão disponíveis diversos métodos de geração de código em tempo real, como os "attribute accessors".
  • Através do Ruby Gems, é possível instalar e atualizar bibliotecas com uma linha de comando, de maneira similar ao APT do Debian Linux.
  • Code blocks (blocos de código), ajudam o programador a passar um trecho de instruções para um método. A idéia é semelhante aos "callbacks" do Java, mas de uma forma extremamente simples e bem implementada.
  • Mixins, uma forma de emular a herança múltipla, sem cair nos seus problemas.
  • Tipagem dinâmica, mas forte. Isso significa que todas as variáveis devem ter um tipo (fazer parte de uma classe), mas a classe pode ser alterada dinamicamente.

Ruby está disponível para diversas plataformas, como Windows, .NET, Linux, Solaris e Mac OS X, além de também ser executável em cima da máquina virtual do Java (através do JRuby).



  • Finalizando


Documentação, bibliotecas, tutoriais e muitos outros itens podem ser encontrados no site Ruby A Programmer's Best Friend.
Estamos disponibilizando para download um tutorial rápido, retirado do site mencionado anteriormente,chamado Ruby em Vinte Minutos além do próprio Ruby (versão 1.8.4.0).

Fonte:

[1] Wikipedia
[2] Ruby on br
[3] Ruby A Programmer's Best Friend

Comentários

  1. Excelente post :) Ruby é o que há. Não conheço muito mas pelo pouco que vi adorei a linguagem :) Estou aqui com o livro Ruby, Conhecendo a Linguagem, escrito pelo TaQ, que minha namorada me deu de aniversário. Vou aproveitar agora as férias para começar a estudar Ruby!

    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por Participar do programero, fique a vontade para agradecer, retificar, perguntar ou sugerir.

Postagens mais visitadas deste blog

Iniciar e Parar Serviços do Windows (Delphi)

Em certas ocasiões nos deparamos com a necessidade de manipular determinadas atividades do SO, como iniciar ou parar um banco de dados, ou qualquer outro serviço que esteja funcionando no momento. Segue abaixo um código que encontrei na Internet para tal finalidade (não me recordo à fonte, assim que eu a encontrar colocarei).
Iniciar Serviço:

uses WinSvc;
//
// start service
//
// return TRUE if successful
//
// sMachine:
//   machine name, ie: \SERVER
//   empty = local machine
//
// sService
//   service name, ie: Alerter
//
function ServiceStart(
  sMachine,
  sService : string ) : boolean;
var
//
  // service control
  // manager handle
  schm,
//
  // service handle
  schs   : SC_Handle;
//
  // service status
  ss     : TServiceStatus;
//
  // temp char pointer
  psTemp : PChar;
//
  // check point
  dwChkP : DWord;
begin
  ss.dwCurrentState := -1;
// connect to the service
  // contr…

Alterar cores do PageControl (Delphi)

O padrão Windows todo cinza não é muito atraente, por isso quando nos utilizarmos do PageControl podemos alterar suas cores e fontes da seguinte maneira:
Em primeiro lugar devemos alterar a propriedade OwnerDraw para TRUE;
Depois implementar seu método DrawTab da seguinte maneira: //pinta a fonte
Control.Canvas.Font.Color:=clBlack;
//
// pinta a paleta / aba
Control.Canvas.brush.Color:=clSkyBlue;

PageControl1.Canvas.Rectangle(Rect);
Control.Canvas.TextOut(Rect.left+5,Rect.top+3,PageControl1.Pages[tabindex].Caption);
// pinta a parte interna (tabsheet)
PageControl1.Pages[TabIndex].brush.Color := Control.Canvas.brush.Color;
PageControl1.Pages[TabIndex].Repaint;

Caso a intenção seja manter cada aba com seu próprio estilo basta adicionar um CASE filtrando o índice das abas: case TabIndex of
  0: Control.Canvas.Font.Color:=clBlack;
  1: Control.Canvas.Font.Color:=clWindow;
  2: Control.Canvas.Font.Color:=clRed;
en…

Listar arquivos existentes em diretório (Delphi)

Mostraremos uma maneira simples e prática para listar o conteúdo de um diretório com a opção de incluir nessa listagem os arquivos de seus subdiretórios. No exemplo abaixo temos um Edit para receber o diretório a ser pesquisado um CheckBox para indicar se os subdiretórios entrarão na pesquisa um botão para efetuar a pesquisa e um Memo para listar os arquivos encontrados, no final um Edit que receberá o cálculo final (em bytes) da soma do tamanho dos arquivos. procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject);
begin
  tamanhoTotal := 0;
  memLista.Lines.Clear;
  ListarArquivos(edtDiretorio.Text, chkSub.Checked);
  Edit1.Text := IntToStr( tamanhoTotal );
end;
procedure TForm1.ListarArquivos(Diretorio: string; Sub:Boolean);
var
  F: TSearchRec;
  Ret: Integer;
  TempNome: string;
begin
  Ret := FindFirst(Diretorio+'\*.*', faAnyFile, F);
try
while Ret = 0 do
begin
if TemAtributo(F.Attr, faDirectory) then
begin
if (F.Name <> '.') And (F.Name &l…