Pular para o conteúdo principal

Internet sob rede elétrica

Já imaginou plugar seu modem na tomada? E melhor, conseguir velocidades que chegam a 200Mbps (lembrando que hoje a maior velocidade é de 30Mbps). Pois é, esse tipo de tecnologia não é nenhuma novidade já em meados do ano 2000, algumas empresas brasileiras fizeram testes, mas nada além disso. Só em 2006 é que ela entrou em foco novamente, com a instalação de uma rede esperimental em Porto Algre, a rede cobre 3,5 quilômetros de extensão atingindo velocidades de até 45Mbps.

Bom percebe-se que sua area de abrangencia e um tanto pequena, vamos ver algumas desvantagens:
  • Manter a alta velocidade com longas distâncias, pelo encapamento plástico "roubar" os sinais de alta frequência;
  • Os fios de cobre com tal frequência podem interferir em alguns equipamentos eletro-eletrônicos, por fazer com que os dados gerem ruído no espectro eletromagnético, além de haver possibilidade de corromper os dados pela captura do sinal de rádios e outros;
  • Da mesma forma, alguns aparelhos podem interferir na transmissão;
  • Emendas, "T"s, filtros de linha, transformadores, e o ligamento e desligamento de eletrônicos na rede elétrica causam ecos do sinal, por criar pontos de reflexão, com isso podendo haver corrupção dos dados;
  • Necessidade de instalação de "repetidores" em cada tranformador externo (aqueles dos postes), pois filtram sinais de alta frequência.
Agora algumas de suas vantagens:
  • Facilidade de implantação;
  • Alta taxa de transmissão;
  • Segurança apurada, devido à criptografia com algoritmo DES de 56 bits;
  • Fácil integração entre dispositivos, eletrodomesticos e eletroeletronicos, desde que estes possuam estas funcionalidades;
  • Monitoração da energia eletrica, com o grid inteligente, as quedas são reduzidas em 80%, bem como diminuição da energia perdida em 10%, pois, num corte, o grid já aciona automaticamente a central e informa o local do ocorrido.

Mas porque cargas d'agua eu estou falando sobre isso então? Pois bem, a Panasonic em parceria com a Associação de Empresas Proprietarias de Infra-Estrutura e Sistemas Privados de Telecomunicações (Aptel) implantou uma rede em Barreirinhas (MA). A Panasonic aguarda a regulamentação do serviço pela Anatel e cogita até a produção dos equipamentos necessários em solo nacional. Questionada quanto a um possivel aumento no consumo de energia eletrica a empresa afirma que, com o sistema implantado e conectado ao sistema das concessionarias pode haver um controle maior dos gastos, gerando até uma redução no consumo.

Funcionamento

Para os interessados, segue abaixo o esquema de funcionamento, retirado do artigo "Entendendo a Inernet sob rede elétrica" de Júlio César Bessa Monqueiro, encontrado no Guia do Hardware.net:

O princípio básico de funcionamento das redes PLC é que, como a frequência dos sinais de conexão é na casa dos MHz 91,7 a 30), e a energia elétrica é da ordem dos Hz (50 a 60 Hz), os dois sinais podem conviver harmoniosamente, no mesmo meio. Com isso, mesmo se a energia elétrica não estiver passando no fio naquele momento, o sinal da Internet não será interrompido. A tecnologia, também possibilita a conexão de aparelhos de som e vários outros eletroeletrônicos em rede, como já dito acima. A Internet sob PLC possui velocidade não assíncrona: ou seja, você tem o mesmo desempenho no recebimento ou envio de dados.

O princípio de funcionamento da rede comercial é parecido, vamos ao esquema:


O sinal do BPL sai da central, indo para o injetor, que vai se encarregar de enviá-lo à rede elétrica. No caminho, o repetidor tem a função de não deixar com que os transformadores filtrem as altas frequências. Chegando perto da casa, o extrator, que deixa o sinal pronto para uso da casa, chegando até o modem BPL, que vai converter para uso pelo computador, através de uma porta Ethernet ou USB. No penúltimo passo, no caminho poste-casa, há 3 meios: por cabo de fibra óptica, por wireless ou pela própria fiação elétrica, este último mais provável.

Como há um repetidor a cada transformador, e nesse sistema com grids inteligentes não se usa mais os atuais “relógios”, descarta-se a desvantagem mais famosa na Internet do uso do PLC - de que os tranformadores, por absorver os sinais, impossibilitariam a instalação.

Analisando em termos de cidade, vamos à mais um esquema:


Veja, que é de modo um pouco diferente do outro, adaptado pela empresa Plexeon, porém com a mesma definição. O sinal sai da estação que o “injeta” na linha, indo para a rede de distribuição – primeiramente à órgãos públicos - e depois às casas, sempre passando por um repetidor ao passo que um transformador passa na linha, e um extrator quando finalmente chega na casa. Note que as casas também poder ser conectadas pelo repetidor.

Para uma rede doméstica, basta ligar um módulo PLC do roteador na rede elétrica, e o do outro computador também, após isso configurando normalmente. Esses módulos têm o nome de “USB to PowerLine”, e é vendido no Brasil pela Naxos.


A especificação mais usada hoje é a DS2, que se originou na Europa. Nos EUA, também é usado o padrão HomePlug. As versões comerciais vendidas no exterior hoje possui velocidade média de 200 Mbits/s. O principal diferencial entre os padrões é a frequência - cada uma com suas vantagens.

Como já visto, o BPL não interfere, na sua frequência, em eletrodomésticos, devido às grandezas serem diferentes. Porém, parte da onda média (1,7 a 3 Mhz) e toda a onda média (3 a 30 Mhz) ficam inutilizadas e prejudicadas, podendo outros equipamentos causarem interferências, como motores e dimmers de luz, além de secadores de cabelos, aspiradores e as furadeiras elétricas, havendo uma menor possibilidade também dos chuveiros elétricos prejudicarem.

Vale lembrar também que os equipamentos PLC não podem ser ligados à no-breaks, estabilizadores ou filtros de linha, pois este bloqueiam sinais de alta frequência.

Bom, e então, o que será do BPL? Apesar de muitas desvantagens, essa nova tecnologia caminha para o mesmo rumo que o maioria: unificação. Transformar a rede de telefonia (através do VoIP), internet e elétrica numa linha só é mais um passo para a evolução. Com relação às desvantagens, podemos dizer que, assim como a tecnologia ADSL, que leva dois tipos de sinais num só fio (dados e voz), e, as interferências podem ser consertadas ao longo do tempo, com novos equipamentos que respeitem essa faixa de frequência, além de outras tecnologias e padrões internacionais que vão sendo naturalmente incorporadas. Ou seja, a maioria dos problemas enfrentados podem ser resolvidos com uma boa dose de tempo. Claro que, essa teoria só é válida se houver interesse muito grande de empresas e principalmente de governos, além de uma cooperação entre companhias de eletricidade, Internet e telefonia. É como a carroça, que pode demorar, mas chega lá. Porém, ela não vai andar se cavalos não a puxarem, muito menos se cada um quiser ir para um lado.

No Brasil, obviamente também pode dar certo, pois muitas empresas do setor de elétrica estão continuando seus testes, além de que tecnologias européias podem ser importadas, isso se nenhuma universidade brasileira desenvolver algo antes. O BPL se mostra como mais uma alternativa de inclusão à Internet, num país onde 95% da população possui energia elétrica. Além disso, como a infra-estrutura é de menor custo, esse sistema mostra-se como uma alternativa mais econômica para os usuários.

Comente este artigo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iniciar e Parar Serviços do Windows (Delphi)

Em certas ocasiões nos deparamos com a necessidade de manipular determinadas atividades do SO, como iniciar ou parar um banco de dados, ou qualquer outro serviço que esteja funcionando no momento. Segue abaixo um código que encontrei na Internet para tal finalidade (não me recordo à fonte, assim que eu a encontrar colocarei).
Iniciar Serviço:

uses WinSvc;
//
// start service
//
// return TRUE if successful
//
// sMachine:
//   machine name, ie: \SERVER
//   empty = local machine
//
// sService
//   service name, ie: Alerter
//
function ServiceStart(
  sMachine,
  sService : string ) : boolean;
var
//
  // service control
  // manager handle
  schm,
//
  // service handle
  schs   : SC_Handle;
//
  // service status
  ss     : TServiceStatus;
//
  // temp char pointer
  psTemp : PChar;
//
  // check point
  dwChkP : DWord;
begin
  ss.dwCurrentState := -1;
// connect to the service
  // contr…

Alterar cores do PageControl (Delphi)

O padrão Windows todo cinza não é muito atraente, por isso quando nos utilizarmos do PageControl podemos alterar suas cores e fontes da seguinte maneira:
Em primeiro lugar devemos alterar a propriedade OwnerDraw para TRUE;
Depois implementar seu método DrawTab da seguinte maneira: //pinta a fonte
Control.Canvas.Font.Color:=clBlack;
//
// pinta a paleta / aba
Control.Canvas.brush.Color:=clSkyBlue;

PageControl1.Canvas.Rectangle(Rect);
Control.Canvas.TextOut(Rect.left+5,Rect.top+3,PageControl1.Pages[tabindex].Caption);
// pinta a parte interna (tabsheet)
PageControl1.Pages[TabIndex].brush.Color := Control.Canvas.brush.Color;
PageControl1.Pages[TabIndex].Repaint;

Caso a intenção seja manter cada aba com seu próprio estilo basta adicionar um CASE filtrando o índice das abas: case TabIndex of
  0: Control.Canvas.Font.Color:=clBlack;
  1: Control.Canvas.Font.Color:=clWindow;
  2: Control.Canvas.Font.Color:=clRed;
en…

Listar arquivos existentes em diretório (Delphi)

Mostraremos uma maneira simples e prática para listar o conteúdo de um diretório com a opção de incluir nessa listagem os arquivos de seus subdiretórios. No exemplo abaixo temos um Edit para receber o diretório a ser pesquisado um CheckBox para indicar se os subdiretórios entrarão na pesquisa um botão para efetuar a pesquisa e um Memo para listar os arquivos encontrados, no final um Edit que receberá o cálculo final (em bytes) da soma do tamanho dos arquivos. procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject);
begin
  tamanhoTotal := 0;
  memLista.Lines.Clear;
  ListarArquivos(edtDiretorio.Text, chkSub.Checked);
  Edit1.Text := IntToStr( tamanhoTotal );
end;
procedure TForm1.ListarArquivos(Diretorio: string; Sub:Boolean);
var
  F: TSearchRec;
  Ret: Integer;
  TempNome: string;
begin
  Ret := FindFirst(Diretorio+'\*.*', faAnyFile, F);
try
while Ret = 0 do
begin
if TemAtributo(F.Attr, faDirectory) then
begin
if (F.Name <> '.') And (F.Name &l…